Cuité adere ao ‘Setembro Amarelo’ e executa programação que trata da prevenção ao suicídio

Por iniciativa do Conselho Federal de Medicina, Centro de Valorização da Vida e Associação Brasileira de Psiquiatria, o ‘Setembro Amarelo’ foi introduzido no calendário brasileiro em 2015, sendo uma campanha que trata da prevenção ao suicídio, tendo sido acolhida no mês de setembro por exatamente no dia 10 de setembro ser lembrado o dia mundial de prevenção ao suicídio.

Angélica Lira, Coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), do município de Cuité, em participação no Programa ‘Aqui tem Trabalho’ da Prefeitura de Cuité, na 89 FM, declarou que o tema hoje é discutido e trabalhado em todos os espaços, sobretudo pelo número cada vez mais crescente de casos de suicídio ou patologias como depressão, ansiedade ou estresse. “Ao longo dos últimos anos, escolas, universidades, entidades do serviço público e privado, aderiram ao movimento”, afirmou Angélica Lira.

Ao lado de Angélica Lira, também participou da bancada do programa de rádio, a Psicóloga e Coordenadora do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), Humara Veríssimo, que também fez colocações sobre o assunto, inclusive, que “é importante frisar que nem toda pessoa depressiva comete suicídio, e nem todo suicida é uma pessoa depressiva. O suicídio não está atrelado somente a depressão”, declarou Humara Veríssimo.

O apoio da família é fundamental desde o surgimento dos sinais, que podem identificar uma pessoa depressiva ou com outra patologia que possa levá-la ao cometimento do suicídio, até o momento em que se procura ajuda no serviço de saúde para enfrentar e tratar o problema. Além do hospital, que é o espaço para onde se leva pessoas que tenham tentado suicídio, o serviço público de saúde também dispõe de espaços de tratamento, como é o caso, em Cuité, do NASF e do CAPS, cada um deles com sua função e acolhendo usuários de acordo com o nível da patologia, sendo que o NASF é um serviço que dá apoio e suporte com seus profissionais às Unidades Básicas de Saúde, e o CAPS é um serviço com atenção especializada para casos tidos como mais avançados.

Atualmente, entre fobias, síndrome do pânico, ansiedade, estresse e depressão, é difícil identificar e diagnosticar um paciente com uma das patologias, por isso mesmo se faz necessária a procura por um profissional da área, ou qualquer outro profissional do serviço de saúde, seja a Enfermeira, Médico ou Agente Comunitário de Saúde da sua Unidade Básica, que possa encaminhar o paciente para uma avaliação precisa e, posteriormente, ao tratamento adequado para o seu caso.

De acordo com Humara Veríssimo, se você nota mudanças de comportamento em si mesmo ou em pessoas próximas, como intolerância, agressividade, perda de apetite, apatia e baixa autoestima, são sinais de alerta para que já se procure uma ajuda especializada. “É uma bola de neve. Hoje é uma insônia, próxima semana é um medo, depois se torna uma ansiedade, e assim vai evoluindo”, conclui a profissional Psicóloga.

Para debater o assunto e conscientizar a todos sobre o tema, que é um caso de saúde pública que tem preocupado as autoridades, o município de Cuité preparou uma vasta programação que está sendo executada ao longo de todo mês. Vale lembrar que setembro é um mês onde o tema é trabalhado de forma mais abrangente, mas o cuidado com a saúde mental tem ganhado atenção ao longo de todo o ano, e os profissionais de saúde estão a disposição da comunidade para receber qualquer que seja o caso, e assim poder agir de acordo com a necessidade.

Confira a programação e faça parte de cada momento.

Compartilhar